OCUPANDO O ESPAÇO URBANO: CIRCULAR, PRODUZIR E PIXAR

Autores

  • Amanda Machado de Liz Universidade de Brasília

Resumo

A visibilidade da pixação[1] vem ocupando todos os espaços da cidade de São Paulo, provocando uma transformação no espaço público e gerando desconforto entre as classes mais privilegiadas. Para os pixadores, que em sua maioria reside nas periferias urbanas, é um meio de expressar que as suas necessidades não se restringem a habitar a cidade, mas também de construí-la, tanto a sua história, paisagem, vida cotidiana e política. Assim, o presente trabalho tem como objetivo o estudo da pixação, com base na descrição de movimentações, expressões e sociabilidades dos pixadores entre si e para com a cidade de São Paulo. O resultado advém não só da bibliografia, mas também de observação participante simples e não estruturada. Entende-se que o direito à cidade nasce na rua, da informalidade e na periferia, sustentado em razões capazes de mobilizar os debates públicos e pela atuação da sociedade civil, instaurada pelas lutas por reconhecimento e inclusão. Como resultado observa-se que a pixação é uma forma de demanda por direito à cidade e por ocupação física e visual do espaço urbano.

 

[1] Adota-se as duas grafias – pixação e pichação – por uma questão semântica e terminológica que será melhor explicitada ao longo deste artigo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Machado de Liz, Universidade de Brasília

Mestranda em Direito pela Universidade de Brasília, especialista em Direito Público pela FURB e bacharel em Direito pela Faculdade CESUSC.

Downloads

Publicado

2024-06-04